Esta é a Páscoa do Senhor.

O Senhor disse a Moisés e a Arão, no Egito:”Este deverá ser o primeiro mês do ano para vocês.Digam a toda a comunidade de Israel que no décimo dia deste mês todo homem deverá separar um cordeiro ou um cabrito, para a sua família, um para cada casa.Se uma família for pequena demais para um animal inteiro, deve dividi-lo com seu vizinho mais próximo, conforme o número de pessoas e conforme o que cada um puder comer.O animal escolhido será macho de um ano, sem defeito, e pode ser cordeiro ou cabrito.Guardem-no até o décimo quarto dia do mês, quando toda a comunidade de Israel irá sacrificá-lo, ao pôr-do-sol.Passem, então, um pouco do sangue nas laterais e nas vigas superiores das portas das casas nas quais vocês comerão o animal.Naquela mesma noite comerão a carne assada no fogo, juntamente com ervas amargas e pão sem fermento.Não comam a carne crua, nem cozida em água, mas assada no fogo: cabeça, pernas e vísceras.Não deixem sobrar nada até pela manhã; caso isso aconteça, queimem o que restar.Ao comerem, estejam prontos para sair: cinto no lugar, sandálias nos pés e cajado na mão. Comam apressadamente. Esta é a Páscoa do Senhor.

Êxodo 12:1-11

A FESTA BÍBLICA DA PÁSCOA (Parte 01)

Êxodo 12:1-28A Páscoa (do Hebraico, Pessach, significa passagem), uma festa bíblica ordenada por Deus como estatuto perpétuo, a ser celebrada de geração em geração como um memorial ao Senhor. Ela originalmente foi instituída para celebrar a “pessach, passagem” da escravidão egípcia para a libertação do povo hebreu, rumo à terra prometida. E foi exatamente durante a celebração da Páscoa que Jesus, o “Cordeiro de Deus” (João 1:29) foi imolado, a fim de trazer libertação da escravidão do pecado, passando todo aquele que crê Nele, da morte para a vida. Jesus, portanto, é a nossa (I Co 5:7)!Vamos refletir sobre alguns desses novos elementos da Páscoa, os quais foram infiltrados ao longo dos anos de forma sorrateira e acabaram sendo absorvidos culturalmente, contaminando e deturpando o verdadeiro significado da Páscoa.

I – COELHO DA PÁSCOA

A Páscoa, na sua origem, segundo determinação de Deus, deveria ser celebrada com um cordeiro e não um coelho. Ora, ainda que quiséssemos substituir o cordeiro por um outro animal, pela falta de cordeiro ou pela sua extinção do planeta, jamais deveríamos usar um coelho, pois isto seria uma afronta aos princípios de Deus, pois o coelho é considerado um animal impuro (Lev 11:6).Como o coelho veio parar na festa da Páscoa? Segundo historiadores, esse símbolo vem de OSTARA (daí os nomes Easter, páscoa em inglês; Ostern, em alemão), deusa da fertilidade e do renascimento. Era uma deusa da mitologia germânica, adorada no seu festival de Ostara, comemorado no dia 30 de março. Seu nome e funções tem relação com a deusa grega EOS, “deusa do amanhecer”, com a deusa Fenícia ASTARTE e com a deusa babilônica ISHTAR. Essa deusa Ostara, esse demônio, tinha uma afeição por crianças e tentava envolvê-las com o seu cântico mágico. Ostara teria transformado um pássaro num coelho e as crianças, sentindo a falta do canto do pássaro, pediu a Ostara para reverter o encanto. Pura idolatria e paganismo! Lamentavelmente, todo esse paganismo foi empurrado para dentro da festa da Páscoa pela igreja dominante da época da Idade das Trevas e hoje as pessoas celebram a Páscoa com coelhos, ao invés do cordeiro.Na Páscoa, celebraremos o “Cordeiro de Deus” ou o Coelho da Idolatria e do Paganismo? Qual o que você prefere? Convido você a celebrar a Páscoa recebendo a Jesus, o Cordeiro de Deus, como seu Salvador e Libertador!

II- OVOS DE CHOCOLATE

Os ovos de páscoa tem a origem e explicação na mesma lenda da deusa Ostara. O pássaro, transformado em coelho, revertido o seu feitiço, teria pintado ovos com cores variadas e distribuído para as crianças pelo mundo inteiro. A deusa Ostara, em celebração a esse “feitiço”, pintou um coelho na lua para que todos se lembrassem dela. Ostara, também conhecida como a deusa da Primavera, era representada pela imagem de uma mulher segurando um ovo na mão, tendo ao seu redor um coelho, simbolizando a fertilidade, que pulava alegremente ao seu redor. Aliado a essa idolatria, sabemos também que os pagãos, na idade média, tinham o costume de trocar presentes de ovos de aves, por acreditarem que trazia boa sorte e fertilidade na família. Tudo isso foi introduzido na festa da Páscoa, um sincretismo religioso que contaminou e desviou o verdadeiro significado e propósito da Páscoa.Hoje, a Páscoa nada mais é do que uma festa popular com elementos provenientes do paganismo e da idolatria, prejudicando assim esse memorial do Senhor para o Seu povo. Precisamos resgatar o verdadeiro significado da Páscoa e ensinar as pessoas que a Páscoa celebra a morte e ressurreição de Cristo e que Ele, Jesus, o Messias, é a nossa páscoa, a nossa libertação, a nossa salvação! Não dá para comemorar a Páscoa sem ter Jesus no coração, sem aceitar o sacrifício do Cordeiro de Deus em nosso favor. Receba em seu coração o Cordeiro da Páscoa, Jesus! Tome essa decisão agora e tenha uma feliz Páscoa!CONCLUSÃO: Celebre a Páscoa não com o fermento velho, nem com o fermento da corrupção, do engano, da idolatria, mas com os pães ázimos (pão sem fermento) da sinceridade, da verdade, do perdão, do arrependimento e da mudança de vida (I Co 5:7-8). Convide o Cordeiro da Páscoa, Jesus, para entrar na sua vida e trazer libertação, perdão, salvação e uma nova vida! Feliz Páscoa!

(Copiado texto livre. Fonte Desconhecida.)

Para nossa edificação, no amor de Jesus Cristo,

Pr. Miquéias Castreze

miqueiascastreze.com.br

MINISTÉRIO APOSTÓLICO EVANGELHO DE PODER

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *