Yeshua é o Messias

Miqueias Castreze

YESHUA É O MESSIAS!

A PROFECIA – A filosofia judaica declara que o Divino Plano do Eterno para a Criação será realizado com o advento da Era de Mashiach. Os Profetas estão repletos de referências e descrições do indivíduo que será Mashiach, e de como será o mundo após a mudança que ele introduzirá.

1 – Ele será um descendente do grande Rei David.
2 – Ele será um indivíduo excepcionalmente justo e preeminente erudito de Torá.
3 – Ele inspirará a todos a retornar sinceramente a D’us.
4 – Ele será um líder muito carismático e poderoso que liderará pelo exemplo.
5 – Ele terá aquilo que é conhecido como uma alma ‘coletiva’ ou ‘geral.’ Esta alma mestre possibilitará a ele relacionar-se com pessoas de todos os níveis.
6 – Ele exigirá e conseguirá grandeza de toda a humanidade.
7 – Ele fará acontecer aquilo que é descrito como a ‘Reunião dos Exílios’ – o retorno de todos os judeus à Terra Santa, Israel.
8 – Ele reconstruirá o Templo Sagrado.
9 – Ele será um Ser Humano – não uma divindade.

A Era Messiânica é descrita nos Profetas como sendo um tempo de paz universal. Não haverá mais sofrimento humano, pois todas as doenças serão erradicadas, bem como a fome e outros problemas. O povo judeu retornará em massa à Terra Prometida, e reconstruirá o Terceiro e definitivo Templo Sagrado em Jerusalém.

A PROFECIA CUMPRIDA – Vejamos se Yeshua (Jesus) realmente não poderia ser o Messias segundo a tradição, isto é, se ele cumpre ou não as exigências citadas:

1 – Descendente do rei David. – Cumprido.

2 – Será um indivíduo excepcionalmente justo e erudito de Torá. – Cumprido. Ainda criança, Jesus espantou os doutores da Lei na sinagoga, ensinando com autoridade nunca vista.

3 – Ele inspirará a todos a retornar sinceramente a D’us. – Cumprido. O fato de nem todos terem retornado a Deus não anula o fato de que ele inspirou, sim, o mundo inteiro a esse retorno. Sua palavra permanece, mesmo após 2000 anos, como um chamado de retorno à Casa do Pai.

4 – Ele será um líder muito carismático e poderoso que liderará pelo exemplo. Mais que cumprido.

5 – Ele terá aquilo que é conhecido como uma alma “coletiva” ou “geral.” Esta alma mestre possibilitará a ele relacionar-se com pessoas de todos os níveis. – Mais que cumprido. Até mesmo soldados romanos pediam pela sua ajuda. “Senhor, eu não sou digno que entreis em minha morada, mas dizei uma palavra e o meu servo será salvo” (Matheus, 8:8), disse a ele o centurião. Isso seria um evento completamente improvável, para dizer o mínimo, na Israel ocupada e cheia de preconceito, de ambos os lados, do I século.

6 – Ele exigirá e conseguirá grandeza de toda a humanidade. – Cumprido, em parte. A parte sobre exigir grandeza sem dúvida foi cumprida. Quanto a conseguir essa grandeza de toda a humanidade, isto se dará, segundo a profecia, na consumação dos tempos. Que ainda não chegou, certo?

7 – Ele fará acontecer aquilo que é descrito como “a Reunião dos Exílios” – o retorno de todos os judeus à Terra Santa, Israel. – Isso também deverá acontecer no dia da consumação dos tempos. Portanto, Jesus não pode ser excluído como Messias por essa razão.

8 – Ele reconstruirá o Templo Sagrado. – Cumprido! Sim! Aí está o grande ponto de discórdia. Os judeus ortodoxos teimam em compreender esta profecia ao pé da letra. O próprio Jesus Cristo ensinou que o Templo Sagrado não é uma edificação feita de pedra, mas que o verdadeiro Templo é constituído pelos nossos corpos, que devem ser tornados como templos para o Espírito do Deus Uno. Aceitar e entender isso depende de uma abertura de consciência, que é gradual, para toda a humanidade. Infelizmente essa noção ainda está longe de ser compreendida por todos, mas eu acredito plenamente que continuamos evoluindo em direção a essa expansão consciencial que nos permitirá ver além das aparências e da literalidade do texto.

9 – Ele será um humano e não uma divindade. – Cumprido, ora! Este é outro ponto de discórdia.

Como foi que YESHUA (Jesus) veio ao mundo? Como Deus? Não! Ele veio como um homem, viveu como um homem e morreu como um homem. Quanto ao seu caráter divino, esta é uma questão puramente teológica. Negar a possibilidade de Jesus ser o messias por causa disso, é o mesmo que reconhecer que ele era de fato Deus! Completo contracenso: “Jesus não poderia ser o Messias porque ele era Deus, e está escrito que o Messias seria humano”. Se alguém não acredita em Jesus como divindade, mais um motivo para admitir a possibilidade de Jesus ser o Messias. Claro como água!

A PALAVRA DO RABINO – O rabi Yitzhak Kaduri, um dos mais antigos e venerados cabalistas judeus, faleceu num sábado (shabat), em 28/01/2007 em Jerusalém. Vítima de pneumonia, ele estava com uma idade estimada entre 104 e 106 anos, segundo fontes médicas. O rabino permaneceu hospitalizado por duas semanas no hospital Bikur Holim, situado nas imediações do bairro ultra-ortodoxo de Mea Shearim de Jerusalém.
Quem era Yitzhak Kaduri? – Segundo fontes tradicionais, Rabino Kaduri teria nascido em 1897 no Iraque; teria, portanto, 109 anos de idade quando faleceu. Aos 13 anos começou seus estudos em Bagdá. Rabino Ben Ish Chai proferiu uma bênção de longevidade sobre Kaduri, que obviamente veio a se concretizar. Aos 16 anos, Kaduri já era considerado uma autoridade em Torá entre os Rabinos de Bagdá. Rebe Lubavitcher afirmou que a influência de Kaduri seria mundial, afetaria todo o globo terrestre. Kaduri se preocupava verdadeiramente com as pessoas, inclusive até bem perto da sua morte. Além de importante mestre religioso e considerado um dos maiores “mekubalim” da história do misticismo judaico, rabino Kaduri esteve por várias vezes envolvido com a causa política, o futuro de Israel e o bem estar do povo israelita em sua própria terra. Em um dos seus últimos pronunciamentos, feito em 2005, ele falou sobre a chegada do Mashiach (Messias) e a era de Luz, Paz e Justiça que, a partir de então, envolverá todo o nosso planeta.

A fama do rabino Yitzhak Kaduri influenciou as comunidades judaicas do mundo inteiro. Ele era um profundo conhecedor da Cabala, o conjunto das doutrinas e preceitos do misticismo judaico. Segundo a tradição judaica, a Cabala é tão complicada e perigosa que só judeus com mais de 40 anos têm acesso a ela. Kaduri sempre se opôs publicamente ao estudo da Cabala por não-judeus.

Originário do Iraque, Kaduri chegou muito jovem à Palestina do Mandato Britânico, onde, na sequência de estudos em diversas escolas talmudistas se impôs como grande mestre. Nunca publicou uma obra, mas era conhecido pelo seu imenso saber no domínio místico judaico. Adepto de uma vida austera, viveu muito tempo do seu ofício de encadernador. O único luxo que lhe foi conhecido, nos últimos anos, era o de fumar cigarros estrangeiros.

No universo da Cabalá, era considerado autoridade suprema. Para o mundo judaico, suas previsões eram um alerta, seus conselhos e bênçãos, um alento para os doentes, pobres e desamparados. A população atribuía-lhe o poder de realizar milagres, especialmente a cura de doentes.

“Pouco tempo antes de sua morte, o renomado rabino Yitzhak Kaduri escreveu uma nota na qual revelou o nome do Messias.”

Poucos meses antes de morrer, o mais proeminente rabino da nação israelita, Yitzhak Kaduri, escreveu o nome do Messias em uma pequena nota que ele havia pedido que permanecesse selada até agora (10/2007). Quando a nota foi aberta, para espanto de uns e maravilha de outros, revelou o que muitos têm afirmado por séculos: Yehoshua, ou Yeshua (Jesus), é o Messias.

Com o nome bíblico de Jesus, o Rabino e Cabalista descreveu o Messias usando seis palavras e dando pistas de que as letras iniciais formam o nome do Messias. – A nota secreta dizia:

“Quanto às letras da abreviação do nome do Messias, Ele erguerá o povo e provará que sua palavra e lei são válidas. Esta eu assinei no mês da graça, Yitzhak Kaduri”

A sentença hebraica (traduzida acima) com o nome do Messias oculto é: Yarim Ha’Am Veyokhiakh Shedvaro Vetorato Omdim.

As iniciais das palavras formam o nome hebraico de Jesus, Yehoshua. Yehoshua e Yeshua são o mesmo nome, derivado da mesma raiz hebraica da palavra “salvação” .

Com um dos mais proeminentes rabinos de Israel indicando que o nome do Messias é Yeshua, pode-se entender por que o seu último desejo foi esperar quase um ano após a sua morte antes de revelar o que escreveu.

Quando o nome Yehoshua apareceu na mensagem de Kaduri, Judeus ultra-Ortodoxos de seu Nahalat Yitzhak Yeshiva (seminário) em Jerusalém contra-argumentaram dizendo que seu mestre não deixou a exata solução para decodificar o nome do Messias .

A revelação recebeu pouca cobertura da mídia Israelense. Somente os websites hebraicos News First Class (NFC) e Kaduri.net mencionaram a nota sobre o Messias, insistindo que era autêntica. O diário Hebraico Ma’ariv publicou a história sobre a nota mas a descreveu como forjada. Porque será ?

O Israel Today falou de dois seguidores de Kaduri em Jerusalém que admitiram que a nota era autêntica, mas confusa para os seus seguidores também. “Não fazemos idéia de como o Rabino chegou a esse nome do Messias”.

Poucos meses antes de Kaduri morrer, ele surpreendeu seus seguidores quando lhes disse que havia se encontrado com o Messias. Kaduri deu uma mensagem em sua sinagoga no Yom Kippur, O Dia do Perdão, ensinando como reconhecer o Messias.

Será que o rabino kaduri, viu o que Israel não quer enxergar por causa do seu orgulho ?

FONTE E EDIÇÃO: Compilação por AP. MIQUÉIAS CASTREZE E ERIC PEREIRA – Ministério Apostólico Evangelho De Poder

#EvangelhoDePoder
#OPoderQueTransformaVidas

Comentários Via Facebook

compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: